quarta-feira, maio 16, 2007

Dia 3

Mais um dia… Dormi um pouco melhor, até nem precisei que me acordassem às 7h pois já estava de olho aberto. Medir a tensão, medir a temperatura, desligar-me do monitor e lá vou eu à casa de banho. Voltei para a cama, mas passado um pouco vieram fazer-me um electrocardiograma. Adormeci novamente, despertaram-me para ir fazer uma eco. E depois mais outro dia como os outros… Visitas de médicos, pequeno-almoço, ler, ver tv, ouvir um pouco de música, passear pelos corredores. A D. Maria José chegou, correu tudo bem! Pensava que tinha alta amanhã, mas deram-lhe alta hoje. Aí vai ela toda contente para casa! Deixou cá umas revistas e uns caderninhos com jogos para entreter. Boa! Tem sido um grande entretenimento.
Hoje vi finalmente o meu pai, que também esteve internado no Hospital do Montijo (e a minha mãe e o Cláudio, claro).

De tarde o médico diz-me que amanhã tenho que fazer uma prova de esforço. “Amanhã? Não pode ser hoje?” digo eu. “Não, agora só amanhã..”. Pronto, mais um dia… Não há meio de sair daqui… O almoço foi bacalhau com puré e fruta e o jantar foi carne com arroz e fruta. Mais um dia longo neste hospital…

19-05-07

Os corredores...

5 comentários:

Kalinka disse...

Mais um dia longo neste hospital…

É com esta tua frase, que me recordo, do meu internamento há 1 ano atrás, no hospital em Setúbal.
Pois, se tinhas todos os dias a visita da tua mãe às 14h e por aí adiante, depois o namorado e mais algumas pessoas, IMAGINA o que foi estar ali todo o dia sem uma única visita.
Custou-me muito, não ter a visita da tua mãe e a tua, mas nunca o disse; acho que Deus se encarrega de mais tarde fazer ver às pessoas que devem ser um pouco mais humanas e solidárias, não sou eu que vou cobrar isto ou aquilo, não está nas minhas mãos. A mágoa, essa sim está dentro de mim.

Kalinka disse...

Esqueci-me de referir que estive num hospital, tipo clínica privada e as visitas eram das 2h da tarde até às 10h da noite, um horário bem alargado...enquanto, ali no Barreiro, era das 17h às 19h 30m, pois eu trabalhando em Lisboa, e saindo às 17h do trabalho, tive muita dificuldade em te visitar, fui apenas 1 vez, mas compreende-se.

pikenatonta disse...

RE Kalinka: Quanto a este assunto, o que tinha que ser dito, pelos vistos já foi dito por telefone pela minha mãe, e eu não vou estar a repetir o mesmo, especialmente num blog, pois se há coisas que devem ser faladas que sejam pessoais, devem ser de outra maneira. Sinceramente, peço-lhe que não faça as coisas apenas para depois poder mandar "bocas"... é feio... e magoa... As acções devem ser feitas de boa vontade!

Beijinhos!

Kalinka disse...

Ora bem...ou ora mal...
Continuo a ser mal-entendida naquilo que escrevo, naquilo que faço...é muito triste!!!
Também lamento que não me conheças; parece que sou uma estranha para ti. Nunca na Vida fiz nada...apenas para depois poder mandar «bocas» - palavras tuas. Se há alguém que tem maldade nas acções, essa pessoa não sou eu.

Fui-te visitar porque quis e só por isso, mais nada. O que disse teria dito mesmo que não te tivesse ido visitar, porque se tens sentimentos e sentes-te magoada, eu também sou um ser humano e também me sinto magoada.
E, aqui termino os comentários sobre este assunto.

pikenatonta disse...

RE Kalinka: Ainda bem! Fico contente que o tenha feito porque simplesmente quis!

E pronto, ficamos por aqui então, tenho demasiadas preocupações na cabeça para querer aumentar a lista... Eu fujo de conflitos e sempre fugi. Quem me conhece sabe disso...

***