terça-feira, março 21, 2006

Frida Kahlo 1907 - 1954

Image hosting by Photobucket



Sábado passado fui ver a exposição desta artista de origem mexicana, que se consagrou como uma das figuras mais importantes do século XX. Embora a sua produção pictórica conte com apenas 200 obras de arte, a verdade é que a sua obra, a sua imagem e a sua vida suscitam grande curiosidade e profunda admiração. Cinco décadas após a sua morte, Frida continua a exercer um enorme fascínio pela sua arte controversa, os seus amores difíceis e o seu sofrimento físico.


Image hosting by Photobucket


«No dia 17 de Setembro de 1925, Frida viajava acompanhada por Alejandro Arias, seu namorado, num autocarro que ia para Coyoacán. Regressavam do liceu. A artista recordou o acidente da seguinte maneira:

Pouco tempo depois de entrarmos no autocarro deu-se a colisão. Tínhamos apanhado outro autocarro, mas como tinha perdido a minha sombrinha saímos para ir procurá-la. Foi por essa razão que entrámos naquele autocarro, que me destruiu. O acidente deu-se numa esquina, em frente ao Mercado de San Lucas, exactamente em frente. O eléctrico seguia lentamente, mas o nosso condutor era um jovem muito nervoso. O eléctrico, ao dar a volta, arrstou o autocarro contra a parede.
Eu era uma rapariguita inteligente, mas pouco prática, apesar da liberdade que tinha conquistado. Talvez por isso, na altura, não tenha medido a situação nem tenha intuído a natureza das minha lesões. A primeira coisa em que pensei foi no bolero de cores bonitas que tinha comprado nesse dia e que levava comigo. Tentei procurá-lo, pensando que tudo aquilo não teria consequências de maior.
É mentira que nos damos conta do choque, é mentira que se chora. Em mim não houve lágrimas. O choque atirou-nos para a frente e um corrimão trespassou-me como uma espada a um touro. Um homem percebeu que eu estava com uma grande hemorragia, pegou em mim e pousou-me sobre uma mesa de bilhar até que a Cruz Vermelha me veio buscar.

Frida nunca teve coragem de representar o acidente numa pintura. No entanto, fez alguns desenhos e esta pintura intitulada "O autocarro", na qual se podem observar as pessoas que viajavam neste tipo de transportes.»

Finalizo apenas recomendando vivamente o filme "Frida", é excelente! :)

10 comentários:

Loca disse...

Ai que belo post, temos que ir ver a Frida um dia destes, boa?
:))

pikenatonta disse...

RE Loca: Bute, bute!! :))))

Cakau disse...

Não me seduz muito, mas se tiver companhia... ;)

Beijinhos *

Flor disse...

Ainda não fui ver a exposição mas estou doida para ir. Só conheci a obra desta pintora depois de ter visto o filme e agora sou fã. Gosto muito da forma dela pintar e aquelas cores são lindas.

pikenatonta disse...

RE Cakau: Pois, com companhia as coisas são muito mais agradáveis! :) Quem sabe se ainda não te convidam... ;)
Beijocas!

pikenatonta disse...

RE Flor: Pois é, também fiquei doida por ela depois de ver o filme. Por isso andava em pulgas para ir ver a exposição! :)

http://polosul.blogs.sapo.pt/ disse...

Já vi o filme; e agora a exposição já não me escapa.

pikenatonta disse...

RE Polosul: Fazes muito bem! Vais gostar de certeza! :)
Estive no teu blog e gostei bastante! *****

Kalinka disse...

Bem, ando a léguas de tudo...estava habituada que partilhasses alguns temas comigo, mas este da Frida não foi o caso e por isso, nem dei conta que tinhas visto o filme e nem sabia também que estava uma exposição dos trabalhos dela para ser visitada.
Sempre soubeste que eu adoro pintura e exposições, para a próxima vez, lembra-te de mim, s.f.f. é um pedido.
Beijokas.

pikenatonta disse...

RE Kalinka: Ora bem... eu não fazia a ideia que gostava assim tanto de pintura, muito sinceramente, pois se soubesse é claro que dizia!!!
A Frida tem uma pintura que nem toda a gente aprecia, pois lembra a morte, sofrimento, coisas negativas... Acho que a tia não ía gostar assim tanto...
Em relação ao filme vi-o o ano passado pois emprestaram-me em DVD. E foi a partir daí que me apaixonei por ela.
Mas é claro que teria todo o gosto em ir a uma exposição consigo! Tirando esta da Frida já nem me recordo da última vez que tenha ido a uma exposição, pois não costumo ir, infelizmente...
Beijinhos!!! ***