segunda-feira, setembro 24, 2007

No hospital - I

Escrever acerca da minha estadia no hospital é escrever sobre más experiências. É escrever sobre coisas que preferíamos esquecer, que preferíamos não ter passado por tal. No entanto, é como se fosse uma terapia. Passamos várias horas sozinhos a olhar para o boneco, na maior parte do tempo acabo por adormecer.

Hoje é 2ª feira, dia 24 de Setembro, e já cá estou desde 3ª feira à noite. Fiquei internada de 18 para 19 de Setembro. Entrei no hospital com fortes dores abdominais, já não sabia para que lado havia de me virar…

Desta vez não vou fazer um relato diário, vou apenas falar em geral das coisas. Posso dizer que este internamento está a ser muito pior que o anterior em Maio. Digamos que daquela vez estava “bem” e desta vez não estou nada bem. Os médicos não conseguiam perceber o que é que eu tinha, estava complicado… Se não fosse o meu CDI eles tinham partido para a cirurgia, mas implicava alguns riscos… Desde que entrei que já fiz análises ao sangue (já devo ter sido picada umas 15 vezes até agora), puseram 2 cateteres pois já tive que pôr “muita coisa” cá para dentro, fiz um R/X, fiz 2 ecografias, fiz 1 TAC (tive que beber um líquido horroroso e a experiência em si foi detestável pois tenho dificuldade em respirar, e num TAC não se pode respirar… não correu bem) e finalmente tive que ser algaliada… Tudo boas experiências, claro… O meu braço já está negro de tanta picada, até eles já nem sabem onde picar… Quando vejo uma agulha entro logo em desespero… Para compor o cenário, ontem deram-me um medicamento (penso que tenha sido o Periperan) que me fez um mal terrível, nunca tinha tido uma reacção assim… Basicamente fiquei sem controlo… Dava voltas na cama, não parava de me mexer, não queria ver ninguém, queria gritar, chorar, enfim, fiquei doida… Foi desesperante estar assim (durou 1h), querer sair daquele estado e não ter controlo. Não desejo aquilo a ninguém… Alucinante mesmo…

Em relação ao que eu tenho: tudo isto derivou do meu problema no coração (miocardiopatia dilatada) e como o coração não está a trabalhar bem, fez com que o sangue ficasse mais espesso. Isto fez com que criasse um coágulo (trombo) que tinha que rebentar em algum lado. Por sorte ocorreu no rim. Por sorte porque todos sabemos que se tivesse ido para a cabeça seria muito pior, não é? Não pensemos nisso… Portanto, tive um enfarte no rim. Posso dizer também que comecei a inchar bastante nos pés e em toda a zona da barriga (presentemente ainda me encontro assim). Portanto, retenção de líquidos…

Enfim, eu só quero sair daqui… Estar sozinha num quarto de hospital faz-nos pensar somente em coisas más… A minha qualidade de vida continua a degradar-se e acho que está tudo a acontecer rápido de mais… Nunca estamos preparados por mais que julguemos que sim…

Lembrei-me também das camas que já percorri: ora entrei para o SO, depois mudei para a UIPA, depois mudei para a Medicina Interna cama 38, depois mudei para a Medicina Interna cama 50, depois mudei para a UCD em Cardiologia e finalmente cheguei à cama 17 da enfermaria de Cardiologia. Espero sair daqui para casa… Estou aqui a pensar: que raiva, hoje estreia a 2ª temporada do Heroes e eu aqui num hospital… Pormenores, pormenores…

1 comentário:

Ana Ataíde disse...

...aiaiaai,fiquei emocionada e afligida, nem sei muito bem o que escrever, a tia kalinka falou-me da sua situação hoje, estive aler várias postagens. Coragem e muita força. Quando temos um obstáculo tão grande que não conseguimos desviar o melhor a fazer é usá-lo como alpondra para chegar mais alto. Um beijinho. Ana Ataíde